Aprovada a possibilidade do registro de mestres e doutores em economia

O registro de mestres e doutores nos Conselhos Regionais de Economia sempre foi um tema que gerou muita discussão no Sistema Cofecon/Corecons. A questão é complexa, devido a questões legais referentes à titulação de economista e à necessidade de registro para o exercício profissional. O assunto já foi bastante discutido no Simpósio Nacional dos Conselhos de Economia (Since), o principal fórum de debates do Sistema Cofecon/Corecons.

O Since reúne representantes do Cofecon e dos Corecons e é realizado a cada dois anos, sempre nos anos pares. Normalmente possui três grupos de debates, sendo um para discussão da formação e mercado de trabalho do economista, outro para aperfeiçoamento do sistema Cofecon/Corecons e um terceiro para analisar a economia brasileira.

No XXVI Since, realizado em Rondônia, o assunto foi levantado novamente. A proposta de criar um grupo de trabalho no Cofecon para estudar esta questão foi votada e aprovada. O grupo elaborou uma nota técnica, apresentada e encaminhada para a Comissão de Normas, responsável por analisar o tema com a devida profundidade. Durante a 714ª Sessão Plenária do Cofecon, realizada nos dias 1º e 2 de julho, o voto da comissão foi apresentado ao plenário do Cofecon para discussão e votação, tendo sido aprovado.

“Tivemos a oportunidade de examinar a hipótese de registro profissional dos egressos de programas de mestrado e doutorado em academia, recomendados pela Capes e aprovados pelo Conselho Nacional de Educação, formalizada por meio da resolução 2.113”, comentou Paulo Dantas da Costa, vice-presidente do Cofecon e coordenador da Comissão de Normas e Legislação. “A iniciativa se reveste da mais elevada importância. Era uma demanda não só dos mestres e doutores, como também de diversos economistas brasileiros”.

A regulamentação aprovada fortalece a profissão, permitindo que os mestres e doutores possam ter registro nos Conselhos Regionais de Economia e trabalhar especificamente em atividades abrangidas pela formação do respectivo mestrado e/ou doutorado. Eles não poderão receber o título de economistas e seu campo de atuação será restrito à área de formação.

A resolução 2.113 pode ser acessada clicando AQUI.

Fonte: Cofecon

Prêmio Brasil de Economia tem inscrições prorrogadas


Prêmio do Conselho Federal de Economia traz categoria Artigo Temático sobre Estado, Economia e Democracia no Brasil. Inscrições foram prorrogadas até 30 de agosto.
A principal premiação voltada para profissionais e estudantes das Ciências Econômicas recebe até 30 de agosto, as inscrições para a edição de 2022 em quatro categorias: Livro de Economia, Artigo Técnico/Científico, Monografia de Graduação e Artigo Temático: Estado, Economia e Democracia no Brasil.

Em sua 28ª edição, os trabalhos inscritos no Prêmio Brasil de Economia (PBE) devem abordar temas relacionados à Teoria Econômica, Pensamento Econômico Contemporâneo, Economia Brasileira, Economia do Setor Público, Economia Internacional, Economia Agrícola, Economia Socioambiental, Economia Regional e Urbana, Integração Econômica, Economia e Inovações Tecnológicas, temas interdisciplinares e outros relativos à Ciência Econômica.

O PBE chama a atenção de profissionais, pesquisadores e da própria sociedade para o debate econômico inclusivo. A premiação valoriza os profissionais que investem recursos no desenvolvimento de propostas que tragam soluções para problemas como inflação, desemprego, desigualdade social, falta de investimento, entre tantos outros temas que hoje são obstáculos para a qualidade de vida dos brasileiros.

Além disso, o PBE valoriza o papel dos economistas na resposta aos desafios colocados pela Covid-19 nos últimos dois anos, pelo atual momento internacional e por fatores internos que que impactam nos investimentos de setores como saúde, educação, ciência e tecnologia e afetam assim o desenvolvimento.

Conheça as categorias

Livro de Economia: Os interessados em concorrer na categoria que pagará R$8 mil ao primeiro colocado, devem encaminhar versão digital ou física do livro publicado entre janeiro de 2021 e 15 de julho de 2022.

Artigo Técnico/Artigo Científico: A categoria oferece o prêmio de R$4 mil ao primeiro colocado. Os artigos devem ter sido publicados entre janeiro de 2021 e 15 de julho de 2022. Serão aceitos trabalhos com no máximo 30 páginas, incluindo título, resumo, introdução, desenvolvimento, conclusões e referências bibliográfica.

Artigo Temático: Os artigos temáticos são normalmente produzidos com exclusividade para participação no PBE. O tema em 2022 é Estado, Economia e Democracia no Brasil e melhor artigo temático recebe R$ 3 mil de premiação.

Monografias: Na categoria para estudantes de Economia, a inscrição é feita a partir dos Corecons de cada Estado, a partir da realização de concursos regionais. Cada Conselho Regional inscreve um trabalho classificado em primeiro lugar no último concurso realizado. O prêmio para monografia é de R$ 3mil.

Quem pode participar do Prêmio Brasil de Economia

Podem participar do XXVII Prêmio Brasil de Economia (PBE 2022) economistas devidamente registrados e adimplentes no Conselho Regional de Economia (Corecon) de sua região. Apenas os trabalhos inscritos nas categorias Livro e Artigo Técnico ou Científico poderão ter mais de um autor, sendo que todos eles devem ser economistas devidamente registrados e adimplentes no Corecon de sua região. Não serão aceitas inscrições de mais de um trabalho pelo mesmo autor, mesmo que em categorias distintas.

Como funcionam as inscrições

As inscrições não têm custo e podem ser realizadas pelo site www.cofecon.org.br/pbe/

Os trabalhos devem ser enviados em PDF por meio do campo Inscrições. Na categoria Livro, também serão aceitos exemplares físicos enviados para o endereço Setor Comercial Sul Quadra 02 Bloco B – 12ªAndar – Edifício Palácio do Comércio – Brasília, DF, 70318-900, A/C: Assessoria da Presidência.

As Monografias de Graduação devem ser inscritas exclusivamente pelos Corecons.

Avaliação dos trabalhos

Para avaliação dos trabalhos inscritos, serão formadas Comissões Julgadoras específicas para cada categoria. As Comissões serão compostas por no mínimo três economistas registrados e em situação regular junto ao Corecon, designados pelo Conselho Federal de Economia (Cofecon), com qualificação técnica e formação acadêmica compatíveis com as categorias dos trabalhos a serem avaliados.

Divulgação dos vencedores e Solenidade de Premiação

A premiação acontecerá durante o XXVII Simpósio Nacional dos Conselhos de Economia, que acontece entre os dias 2 e 4 de novembro em João Pessoa-PB. Economista, participe, o próximo trabalho reconhecido pode ser o seu.

Serviço:

Inscrições: Prorrogadas até 30 de agosto

Onde: www.cofecon.org.br/pbe

Categorias: Livro de Economia, Artigo Técnico/Científico, Monografia de Graduação e Artigo Temático: Estado, Economia e Democracia no Brasil.

Premiação: R$ 18 mil

Economista Daniel Coronel assume Coordenadoria de Economia e Administração da Fapergs

O economista Daniel Arruda Coronel é o novo coordenador da área de Economia e Administração da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do RS (Fapergs).  Daniel Coronel é professor Associado do Departamento de Economia e Relações Internacionais, com atuação como Docente Permanente nos Programas de Pós-Graduação (Stricto sensu) em Administração Pública, em Gestão de Organizações Públicas e de Economia e Desenvolvimento, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Atualmente é bolsista de produtividade do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Pró-reitor de Gestão de Pessoas da UFSM, consultor ad hoc da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), do Instituto de Pesquisas Educacionais INEP/MEC e do CNPq. É editor-chefe da Revista de Economia e Sociologia Rural (RESR), editor Associado da Revista Práticas em Administração Pública e editor adjunto da Revista Ciência Rural. É membro do Comitê Institucional de Iniciação Científica/COMIC (Representante da grande área Ciências Sociais Aplicadas), da UFSM, acadêmico e membro do conselho fiscal da Academia Santa-Mariense de Letras (ASL), membro do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico e Cultural (Comphic), e parecerista de periódicos internacionais e nacionais e líder do Grupo de Estudos em Administração Pública, Econômica e Financeira (UFSM).

City Marketing e Economia Criativa: no ar, novo Podcast do Corecon

O Conselho Regional de Economia do RS (Corecon-RS) dá início a uma nova etapa de serviços de comunicação ao ofertar a todos os economistas, internacionalistas e demais profissões conexas, registrados na Entidade, ao lançar o Podcast “City Marketing e a Economia Criativa”. O trabalho, que, neste primeiro momento será ofertado quinzenalmente, através do Site, redes sociais e boletim informativo online, conta com a colaboração do economista Abdon Barreto Filho, as contribuições dos economistas de todo o Estado do RS com questões relacionadas ao desenvolvimento social e econômico das cidades gaúchas e de suas regiões.

Nesta primeira edição o professor Abdon conversa com o economista da Unipampa e professor do IDEAU/Bagé, Eduardo Mauch Palmeira, sobre a revista Azeites e Olivais, especializada no mercado da olivicultura brasileira, e sobre as contribuições do setor para a economia da região e o turismo do RS.

A iniciativa visa a “identificar, promover e apoiar iniciativas dos empreendedores locais e do empreendedorismo nas cidades, com a participação dos economistas”, afirma o idealizador do projeto, Abdon Barreto Filho, que é professor universitário e presidente da ABF Comunicação e Marketing. Ele explica que, através de um bate-papo informal, o podcast apresentará casos de sucesso, ideias, criatividade, inovação, que poderão ser utilizadas no desenvolvimento de novos negócios, gerando emprego, renda, impostos e autoestima da comunidade, “tendo sempre como base os fundamentos da Economia e da Microeconomia”.

Segundo o vice-presidente do Corecon-RS, economista Aristóteles Galvão, criador de outro podcast produzido pelo Corecon, “O Economista e a Sociedade”, que se encontra hospedado na plataforma do spotify, “Trata-se de um novo caminho para nos comunicarmos, de forma efetiva e instantânea com nosso público e a sociedade como um todo”. O Podcast “O Economista e a Sociedade” já se encontra em sua quinta edição e vem tendo excelente repercussão junto à categoria dos economistas. Aristóteles explicou que possui uma pauta diversificada sobre a conjuntura econômica gaúcha, brasileira e internacional, assim como assuntos de interesse da categoria, como mercado de trabalho, cursos de graduação e aperfeiçoamento, qualificação, entre outros temas.

Clique AQUI para assistir ao 1º episódio

 

Projeto de incentivo à permanência na escola é aprovado na Câmara

O Programa Municipal de Incentivo à Permanência na Escola foi aprovado por unanimidade, pela Câmara Municipal, na tarde de quarta-feira, dia 13. A prefeitura concederá bolsas de incentivo para reduzir a evasão escolar e potencializar o desempenho dos estudantes do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre (RME). Pelo Projeto, os selecionados para a bolsa receberão R$ 1.750,00 anuais depositados em dez parcelas.

Para ser beneficiado, o aluno deve atender requisitos, como estar registrado no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), apresentar bom histórico escolar, frequência mensal mínima de 80%, boa conduta no contexto escolar, residir em Porto Alegre, rematrícula para o ano letivo seguinte, entre outros.  O número de candidatos contemplados ficará sujeito à disponibilidade orçamentária e financeira da Secretaria Municipal de Educação, que administrará o Programa.

Os saques poderão ser feitos em três modalidades: saque parcial bimestral, saque parcial anual e saque final. Cada modalidade possui regras específicas.

Segundo a secretária municipal de Educação, Sônia Rosa, esta “é uma das ações pensadas pelo Executivo que vêm para corroborar com a educação no sentido da permanência do aluno no contexto escolar”. 

O prefeito Sebastião Melo agradeceu os vereadores "por darmos mais um passo na qualificação do ensino em Porto Alegre" e explicou que "a evasão escolar é um problema real no Brasil, e Porto Alegre não é diferente. O objetivo é estimular e dar oportunidade de desenvolvimento aos estudantes", acrescentou. 

A elaboração do Projeto teve a participação  da equipe econômica do governo Municipal, entre eles os  economistas Felipe Garcia Ribeiro, Guilherme Stein e Marcelo Ayub.

Fonte: AssImp/Prefeitura de Porto Alegre

Mais de 1,3 mil bolsas de estudo em TI são abertas em projeto mantido por 40 empresas

- Entre as mantenedoras, estão das tradicionais Randon e Gerdau até as nativas digitais, como a Zallpy -

Mais de 1,3 mil vagas estão abertas para formação gratuita em tecnologia da informação (TI). São aulas online, direcionadas a qualquer pessoa com mais de 15 anos. O projeto é do movimento não governamental e sem fins lucrativos +praTi, mantido por mais de 40 empresas. Entre elas, estão das tradicionais Randon e Gerdau até as nativas digitais, como a Zallpy.

Não é a primeira edição do programa. Até agora, cem participantes foram empregados pelas empresas mantenedoras do +praTi, disse o líder do Comitê de Produto, Gediel Luchetta, em entrevista ao Gaúcha Atualidade, da Rádio Gaúcha (ouça a íntegra no final da coluna).

O foco é capacitar jovens e adultos para ingressarem no mercado de TI, mas também aprimorar quem já trabalha na área.

As áreas de formação são:

Desenvolvimento Front-End: Do Zero ao Primeiro Site - ensina a fazer páginas na web

Informática profissional: para quem tem pouco conhecimento e deseja aprimorar as habilidades e o currículo

Introdução à programação: ensina códigos para ingresso em profissões de tecnologia da informação, o que é obrigatório para avançar em Java

Desenvolvedor Java: foco total em programação


Clique no Site do +PraTi para realizar sua inscrição gratuita

Fonte: Coluna Giane Guerra (Jornal Zero HoraGaúcha)

Pesquisadoras gaúchas são premiadas em São Paulo


O trabalho Renúncia de receita e desigualdades: um debate negligenciado, desenvolvido pela economista e professora Rosa Chieza e pela estudante de Economia Anne Kelly Linck foi um dos vencedores no I Prêmio orçamento público, garantia de direitos e combate às desigualdades. A solenidade aconteceu no dia 24 de junho na Escola de Administração de Empresas de São Paulo, da Fundação Getúlio Vargas (FGV). 

A pesquisa foi realizada com o apoio do Programa de Iniciação Científica da UFRGS, já que a estudante era bolsista durante o desenvolvimento do trabalho. O artigo, assim como os demais estudos premiados, será publicado em um livro custeado pela organização do prêmio. De acordo com Chieza, o objetivo do trabalho foi analisar a renúncia da União à receitas no período de 2004 a 2020. 

I Prêmio orçamento público, garantia de direitos e combate às desigualdades é promovido pela Associação Nacional dos Servidores da Carreira de Planejamento e Orçamento (Assecor) e pela Fundação Tide Setubal.

Clique aqui para ler mais!

Fonte: Assessoria Pucrs

Foto: Gsé Silva

Pucrs promove seminário sobre empreendedorismo feminino

A Escola de Negócios da Pucrs promove, em conjunto com o Pucrs Carreiras e o Laboratório Interdisciplinar de Empreendedorismo de Inovação da Pucrs (Idear), o evento Empreendedorismo Feminino: resiliência, transformação e recomeço. 

O painel  acontece no dia 13 de julho, às 18h30, no Auditório do Global Tecnopuc, e debaterá sobre os efeitos da pandemia no trabalho, emprego, carreira e negócios. O evento é gratuito e aberto ao público, com inscrições limitadas. As inscrições podem ser realizadas clicando aqui! A mediadora será a Gestora de Branding Kaká Cerutti, juntamente com a professora da PUCRS Manoela Ziebell de Oliveira e a CEO da Gurizada Faceira, Lú Brito.

Durante o evento também acontecerão momentos de escuta e troca de ideias entre as participantes, além de oficinas que fornecerão ferramentas para o planejamento de trajetórias empreendedoras por meio de aplicação de competências e habilidades importantes para empreender. A iniciativa tem como objetivo criar um espaço de acolhimento e compartilhamento de vivências, descobertas e experiências para a construção de novas oportunidades.

 

Fonte: Assessoria Pucrs

Semana de Aniversário do Corecon-RS

O Corecon-RS está completando, na próxima segunda-feira, dia 11 de julho, 69 anos de sua criação. Instituído pela Lei Federal 1.411, de 13 de agosto de 1951, o Conselho gaúcho foi fundado oficialmente em 11 de julho de 1953. Entre as suas atividades, destaca-se a fiscalização do exercício profissional de Economista e, mais recentemente, de Internacionalista e Financista, que somente passaram a receber tais titulações após registro de suas graduações junto ao seu Conselho. Os registros desses profissionais foram possíveis em função de Resolução do Cofecon, que definiu que egressos dos cursos de bacharelado conexos ao Curso de Ciências Econômicas pudessem encontrar possibilidade de registro profissional e atribuições regulados pelos Conselhos Regionais de Economia de todo o País. Também é função do Corecon organizar e manter o registro de seus profissionais, expedir as carteiras de exercício profissional, fiscalizar e impor e aplicar as penalidades previstas em Lei.

Segundo o presidente do Corecon-RS, economista Mário de Lima, "é um momento especial para nós, economistas gaúchos, que temos em nossa Entidade a certeza de estarmos trilhando no caminho certo, que é a defesa da categoria e o fortalecimento de nossa profissão. E, em função disso, cabe agradecer também o esforço e dedicação daqueles que fazem o Conselho acontecer, nossos colaboradores, conselheiros, assim como aqueles colegas que vieram antes de nós e se somam nessa caminhada pelo crescimento e desenvolvimento do nosso Estado e do País”, acrescentou.

Plano Safra do Banrisul terá R$ 7 bilhões em crédito

O Banco do Estado do Rio Grande do Sul inicia sua atuação na safra 2022/2023 com um novo recorde. O banco disponibilizará R$ 7 bilhões em crédito rural no âmbito do Plano Safra, cifra que é 35% superior aos R$ 5,2 bilhões concedidos na temporada passada.No período atual, serão R$ 6,1 bilhões direcionados a custeio, comercialização e industrialização - o que representa um crescimento de 36% nesta área orçamentária. Já para investimentos, o aumento é de 29%, com destinação de R$ 900 mil.Para a agricultura familiar de pequenos agricultores, serão destinados R$ 1,5 bilhão - alta de 44%.

O maior crescimento neste Plano Safra Banrisul será direcionado ao médio agricultor, que receberá R$ 2 bilhões em crédito, ou 147% a mais do que no último programa. Aos demais produtores, empresas, cooperativas e grande agricultura, está reservada a quantia de R$ 3,5 bilhões (+5%).Desde a pandemia, o programa avançou 129,5% dentro do Banrisul, que, hoje, busca retomar às suas origens voltando o foco para o agronegócio. Em comparação à safra 2019/2020 (R$ 2,26 bilhões), o crescimento é de R$ 209,7%. Em 2020/21 foram R$ 3,05 bilhões.Na temporada 21/22, que se encerrou na virada de junho para este mês de julho, foram concedidos R$ 5 bilhões em crédito rural, com crescimento de 62% em relação ao período anterior.

O resultado da carteira de crédito ocorreu principalmente no financiamento a pequenos produtores. Incluindo outras linhas voltadas ao agronegócio, o Banrisul alcançou R$ 6 bilhões em novas operações no último período-safra.A expectativa é de que este Plano Safra atinja 50 mil clientes Banrisul. Na última temporada, foram quase 30 mil beneficiados, sendo 40% das operações realizadas por propriedades da agricultura familiar.

 

Leia a matéria completa aqui!

Fonte: Jornal do Comércio

Página 19 de 127